10 de dez de 2010

Soneto I

A meu pai




Deitado, parado, quieto e torto
Na mais agoniante calmaria,
Que embora eu soubesse que dormia,
O teu corpo, pai, parecia morto.

Sonhos escuros te deixavam absorto,
O que meu pai assim te infligia,
Tenho certeza, ela a mim viria
E sofrer contigo é até um conforto.

Dos pecados que fosses pioneiro,
Serei o excomungado derradeiro,
Último elo de uma prisão genética.

Não só herdei o sangue de assassino,
Também, eu, me matei quando menino.
Seguir teus passos foi questão de ética!







"Não vos esqueçais de comentar no blog do Escritor analfabeto" - Machado de Assis, últimas palavras.

6 comentários:

  1. Amei!! Parabéns Isaac,
    e continuaa...
    sempre!! :*

    ResponderExcluir
  2. Itxa porra!
    Só no soneto! hehe
    Ficou massa, neh tão difícil naum pow!

    Gostei da "citação" de Machado!
    kkkkkk

    ResponderExcluir
  3. Copiei tua ideia da citação! kkkkkk
    Olha lá no meu, foi plágio mas ficou legal! hehe

    ResponderExcluir
  4. Opa muito bom o post parabéns e claro te desejo um feliz natal e ano novo ^^

    ResponderExcluir
  5. Não tenho disciplina p/ fazer soneto. meu pensamento sempre sai da métrica.

    Gostei dos versos, né atoa que o machado recomendou seu blog antes de morrer, antes mesmo de existir blogs. ^^ Parabéns

    ResponderExcluir
  6. Este último verso é espetacular!
    "seguir teus passos foi questão de ética!"
    Sensacional... realmente!

    ;D

    ResponderExcluir